Conectores lógicos: tipos e exemplos

0
61


o Conectores lógicos são aquelas estruturas linguísticas que conectam ideias que têm uma certa relação entre si. Ao utilizá-los, o autor comunica aos interlocutores a relação lógica entre uma primeira ideia e as que se seguem.

Conectores lógicos ajudam a fortalecer a coerência dos textos. Por outro lado, dão continuidade no desenvolvimento dos conceitos. A regra geral de um texto bem escrito é que uma ideia se desenvolve a partir da anterior e leva perfeitamente à próxima ideia. Caso contrário, a escrita torna-se um conjunto de frases independentes e autônomas.

Aluna.  Você pode estar fazendo um texto monográfico.

Nessa ordem de ideias, o uso adequado de conectores lógicos é de tal importância que um pequeno erro pode mudar completamente o sentido do texto. Para isso, existem regras de verificação para verificar se o conector mais adequado é utilizado em cada caso.

Uma dessas regras é substituí-la por outra da mesma classe e verificar se o significado da frase é mantido. Se a ideia for modificada ou completamente perdida, então o conector usado inicialmente não é o correto e deve ser substituído.

tipos e exemplos

– Aditivos

Conectores aditivos são aqueles que indicam que as informações que aparecem posteriormente são um acréscimo ao que está declarado. Existem duas subclasses para este tipo: adição e intensidade.

Os acréscimos indicam que a ideia a seguir tem a mesma intensidade que a anterior (eu queria ir ao cinema e não tinha dinheiro).

Por outro lado, aqueles com matiz de maior intensidade são usados ​​para reforçar a ideia anterior. Essa ideia complementar reitera o significado de seu antecessor, mas com uma carga maior de intensidade (eu queria ir ao cinema, até chequei o outdoor).

exemplos

No caso de conectores lógicos aditivos de soma são: e, também, além disso, também, também, além disso, da mesma maneira e da mesma maneira.

Por outro lado, entre as tonalidades de maior intensidade pode-se destacar: acima, ainda mais, é mais, uniforme e de fato.

-oposto

Os opostos são todos aqueles conectores lógicos que são usados ​​para apresentar um contraste entre as ideias conectadas. A ideia inicial é modificada na complementar. Ao contrário dos aditivos, estes apresentam uma noção de desigualdade. Estes são classificados em restritivos e exclusivos.

Nas do tipo restritivo, o significado dado é que a ideia inicial deve ser esclarecida de alguma forma. Essa aula tem a equivalência no sentido da palavra “mas” (eu queria ir ao cinema, mas não tinha tempo).

Por outro lado, conectores exclusivos transmitem a ideia de que a informação anterior não tem seu significado usual, mas um diferente. Seu equivalente em significado é a palavra “mas” (eu não queria ir ao cinema, queria ir à reunião).

exemplos

No âmbito do restritivo pertencem a este grupo: mas, porém, com tudo, porém, em qualquer caso, em qualquer caso. Aqueles do tipo exclusivo incluem: se não, sim, e sim.

-Causal

Conectores lógicos causais são usados ​​para representar relacionamentos de causa e efeito. Geralmente, a causa é apresentada na ideia anterior. Enquanto isso, a ideia complementar é apresentada como consequência (eu não tinha dinheiro: portanto, não podia ir ao cinema).

exemplos

Dentro dos conectores lógicos estão: portanto, portanto, portanto, portanto, consequentemente, portanto, portanto, portanto, para o que se segue, por isso, então, então resulta que e de modo que .

-Temporário

Temporais são usados ​​para estabelecer uma linha do tempo ao longo da qual os eventos acontecem ou um argumento se desenrola.

Eles têm três modalidades: conectores anteriores (eu fui ao banco, mas antes de ir ao cinema), simultaneidade (fiz algumas ligações enquanto estava no cinema) e conectores posteriores (eu fui ao cinema, depois fiz alguns chamadas).

exemplos

Ao grupo de conectores lógicos de precedência pertencem: há muito tempo, antes, em primeiro lugar, no início e inicialmente. Por outro lado, em relação às da simultaneidade, destacam-se: ao mesmo tempo, simultaneamente e depois.

Por fim, no grupo de depois, destacam-se: depois, depois, em diante e depois.

-Reformulativos

Conectores lógicos reformulativos têm uma função de reenquadramento. Eles são usados ​​para reafirmar o que foi dito, mas de uma maneira diferente. Eles são divididos em três grupos: explicativos, recapitulação ou conclusão e exemplificação.

Assim, os explanatórios reiteram o que foi dito mantendo o sentido da ideia inicial (Ele permanece no cargo: ou seja, não se aposenta). A recapitulação apresenta um resumo das ideias na redação (em resumo, não foi retirada).

Por fim, os exemplos de exemplificação apresentam exemplos para fixar a informação (Ele diz coisas bobas, por exemplo “Eu sou imortal”).

exemplos

No grupo dos conectores lógicos explicativos mais comuns estão: isto é, isto é, ou seja, e em outras palavras. As de recapitulação ou conclusão incluem: finalmente, em resumo, em suma, em conclusão.

Por fim, dentre os de exemplificação, destacam-se: ou seja, assim, por exemplo, desta forma e especificamente.

-Exceção

Os conectores de exceção lógica atuam em duas instruções consecutivas, das quais uma é a exceção da outra. Ao atuar, eles dão a ideia de que a relação entre as duas ideias nem sempre é assim e que é um caso excepcional só para aquela vez (eu fui ao cinema, mesmo não tendo tempo).

exemplos

Os conectores de exceção lógica incluem: no entanto, mas e no entanto. Da mesma forma, os conectores cumprem a mesma função: apesar de, apesar de que e embora.

-de condição

Os conectores de condição introduzem a ideia de que há uma restrição nas instruções. Assim, fica implícito que há uma limitação ou condição que afeta a declaração. A segunda afirmação é verdadeira se e somente se certas condições forem atendidas (vou ao cinema, se tiver tempo).

exemplos

A relação lógica de condição pode ser expressa com os conectores lógicos: se e sempre. As expressões embora, apesar e a menos que também são usadas para fins equivalentes.

-concessão

Os conectores lógicos de concessão também transmitem a ideia de uma restrição. No entanto, isso não impede o cumprimento da declaração (fui ao cinema, embora não tenha tido tempo). Seu significado equivalente é “com tudo e aquilo”.

exemplos

Entre os conectores de concessão destacam-se: mesmo assim, com tudo, de qualquer jeito e de qualquer jeito. Eles também estão incluídos nesta classificação: mesmo assim, para mais de e em qualquer caso.

Referências

  1. Bates, L. (1998). Transições: um texto interativo de leitura, escrita e gramática. Nova York: Cambridge University Press.
  2. Extership Universitário da Colômbia. (s/f). Conectores lógicos. Extraído de uexternado.edu.co.
  3. Universidade dos Andes. (s/f). Guia de conectores lógicos. Extraído de leo.uniandes.edu.co.
  4. Escoriza Nieto, J. (2003). Avaliação do conhecimento de estratégias de compreensão leitora. Barcelona: Edições Universidade de Barcelona.
  5. Faculdade da Universidade Dominicana. (s/f). Conectores lógicos. Extraído de dominicanu.ca.
  6. Faculdade da Universidade de Tamiu. (s/f). Transições e Conectivos. Extraído de tamiu.edu.