quem foi, biografia e obras

0
16


O escritor em 2011. Fonte: Wikimedia Commons

Quem foi Fernando Soto Aparicio?

Fernando Soto-Aparício (1933-2016) foi um destacado escritor, poeta, roteirista e professor colombiano, conhecido por captar realidades históricas e sociais em suas obras, bem como por sua crítica à cultura colombiana e latino-americana, a fim de fazer seus leitores refletirem.

Sua obra mais famosa é a revolta dos ratos, que lhe valeu o prêmio Seleções Lengua Española em 1962. Através desta obra, Soto Aparicio retratou a injustiça e a realidade das desigualdades sociais dos povos.

Destacou-se por escrever romances e poesias, além de um grande número de ensaios, artigos para a imprensa colombiana, contos, literatura infantil, peças de teatro e roteiros de novelas para a televisão.

Soto Aparicio escreveu cerca de 56 livros de vários gêneros literários e aproximadamente 500 artigos de opinião e literários.

Hoje suas obras permanecem válidas, pois evocam os testemunhos vivos da realidade colombiana e a dolorosa história da América.

Biografia de Fernando Soto Aparicio

Início da vida e juventude

Fernando Soto Aparicio nasceu em 11 de outubro de 1933 no município de Socha, Boyacá, Colômbia. No entanto, sua família mudou-se para o município de Santa Rosa de Viterbo, Boyacá, quando ele era recém-nascido, onde foi criado e passou parte de sua juventude.

Soto iniciou seus estudos básicos até a quarta série do ensino fundamental para se dedicar integralmente à escrita. Aos 15 anos, publicou seu primeiro poema intitulado hino ao paíspublicado em um jornal colombiano.

Por motivos diplomáticos, ele teve que ir para a França por um tempo, onde trabalhou com a UNESCO. Quando retornou à Colômbia, estabeleceu-se definitivamente em Santafé, Bogotá.

Em sua juventude já teve várias produções literárias e além disso, também trabalhou no jornalismo, escrevendo alguns artigos de opinião para a imprensa colombiana. Ele também escreveu vários roteiros para novelas e séries para a televisão.

Soto tinha um fascínio por ver seus trabalhos na televisão, então escrevia cada romance ou roteiro pensando em vê-lo produzido na telinha. Também lecionou na Universidade Militar Nueva Granada, em Bogotá.

Fernando Soto Aparicio nunca escreveu à mão, mas tentou acompanhar a tecnologia do momento, então aprendeu a digitar e depois escrever no computador.

Tópicos

As obras de Fernando Soto Aparicio são variadas em gênero, embora se inscrevem principalmente na narrativa e na poesia. Caracterizam-se por abordar os conflitos históricos e sociais na Colômbia e se baseiam na denúncia da violência, injustiça, desigualdades sociais, exploração do trabalho e industrialização.

Além disso, tornou-se pesquisador, analista e crítico do conflito armado na Colômbia, cujo tema foi abordado em muitas de suas obras. O próprio Soto Aparicio se considerava um porta-voz que conta a realidade de uma sociedade muda.

A intenção de Soto Aparicio ao escrever era a permanência e validade no tempo de seus temas, não só na Colômbia, mas no resto do mundo. Sua poesia costuma ser calorosa e tende a ser usada para exemplificar certos temas sociais.

É uma poesia que evoca o sentimentalismo, o amor, a raiva, a ironia e certos toques de humor negro. No entanto, ternura e esperança são as principais características de sua obra literária. Outro dos temas que abordou é sua devoção às mulheres colombianas e ao machismo.

Em sua maioria, suas obras terminam com um final aberto devido ao convite que faz à reflexão do leitor.

Último post e morte

Fernando Soto Aparicio adoeceu com câncer e passou vários anos lutando para não desistir de sua paixão pela escrita. Em plena doença, escreveu sua última obra, Log de um moribundo. Por meio dele, narrou sua doença e o que viveu praticamente até o dia de sua morte.

Um amigo próximo de Soto afirmou que um dos últimos desejos do escritor era o desejo de ser enterrado em sua cidade natal, especificamente no Cemitério Central de Santa Rosa de Viterbo. Soto foi caracterizado como nacionalista e regionalista.

Em 2 de maio de 2016, ele morreu de câncer gástrico aos 82 anos em uma clínica em Bogotá, Colômbia.

Prêmios

Em 1960 ganhou seu primeiro prêmio internacional em Popayán com seu romance os aventureiros. No ano seguinte, ganhou o prêmio Seleções de Língua Espanhola com a revolta dos ratos.

Mais tarde, em 1970, foi premiado pela Casa de las Américas em Cuba e ganhou o Prêmio Cidade de Múrcia em 1971.

Soto morreu esperando ganhar o Prêmio Nobel de Literatura. De fato, afirmou que a Colômbia e o mundo estavam em dívida com ele por não lhe conceder o reconhecimento.

Tocam

os abençoados

os abençoados É uma obra publicada em 1960. Deu-lhe a oportunidade de receber o Prémio Nova Navis em Espanha em 1969, permitindo-lhe ser reconhecido internacionalmente.

A obra conta a história de uma família que se muda para uma grande cidade cosmopolita, após a situação deplorável e violenta que vivenciaram no meio rural.

a revolta dos ratos

a revolta dos ratos é um romance notável escrito em 1962, sendo este um de seus primeiros títulos como escritor. Com esta obra, Soto conseguiu consagrar-se como um dos melhores romancistas colombianos do século XX.

A peça conta a história de um camponês chamado Rudecindo Cristancho, que chega com sua família na cidade fictícia de Timbalí, em Boyacá, na esperança de ter uma melhor qualidade de vida para sua família e um emprego melhor.

Sem dinheiro e sem lugar para morar, a família se instalou em um lixão. Quando Rudecindo finalmente conseguiu um emprego em uma mina de carvão, começou a sofrer exploração laboral aliada a condições de trabalho deploráveis.

Tentando acabar com os abusos em seu trabalho, ele tentou formar um sindicato e uma rebelião contra seus patrões. O romance termina com um final trágico porque os donos da empresa o assassinam de forma vil, deixando sua família desamparada.

Enquanto está chovendo

Enquanto está chovendo Foi considerada uma de suas obras mais reconhecidas por abordar uma das questões que mais o empolgavam: as injustiças contra as mulheres.

É uma obra que conta a história de uma mulher condenada injustamente pelo assassinato do marido. Ao longo da peça, ele enfatiza a injustiça por uma sociedade machista, vingança e liberdade.

funerais da América

funerais da América é um romance de 1978, que visa fazer o leitor refletir sobre as transformações sociais. Hoje é uma obra que continua válida, pois trata de um conflito de difícil solução: a guerrilha.

É um trabalho reflexivo que busca fazer comparações com a realidade que se vive atualmente em muitos países do mundo.

Conta a história de um grupo de guerrilheiros com ideais em defesa do povo, dos pobres com a insistência de mudar as sociedades. Mais de uma vez o escritor colombiano comentou as façanhas do romance em relação à guerrilha atual.

Cartas para Beatriz

Cartas para Beatriz Era uma novela, cujo roteiro foi escrito por Soto Aparicio e produzido na televisão colombiana em 1969. A produção foi realizada pela RTI Television e dirigida por Luis Eduardo Gutiérrez. Soto conseguiu escrever um total de 100 capítulos.

A novela estrelou o argentino nacionalizado colombiano Julio César Luna, Raquel Ercole e Rebeca López com o papel do antagonista. A trama é baseada em um homem que se apaixona por uma mulher casada, tendo que escrever cartas para ela para expressar seu amor.

Graças a esta produção, Soto Aparicio conseguiu ganhar o prêmio El Espectador de melhor roteirista.

Referências

  1. Morreu Fernando Soto Aparicio, o autor que “se rebelou” diante da injustiça social. Extraído de elheraldo.co
  2. Soto Aparicio, com a habitual rebeldia social. Extraído de magazines.elheraldo.co