quem foi, biografia e obras

0
39


Ramón de Campoamor pintado por Federico de Madrazo em 1847

Quem foi Ramón de Campoamor?

Ramón de Campoamor (1817-1901) foi um poeta espanhol muito popular, muitas vezes comparado a Gustavo Adolfo Bécquer, e outras vezes duramente criticado pela simplicidade prosaica de suas estrofes e sua insubstancialidade.

Para muitos críticos, não há meio-termo com Campoamor: ou foi admirado ou foi rejeitado. Ele experimentou a transição para uma nova sensibilidade poética, na qual os poetas exigiam independência do poder e da função social.

Esta nova geração rejeitou as figuras literárias associadas à Restauração (que incluía Campoamor) e estigmatizou a poesia de Campoamor como uma representação de uma burguesia medíocre e das políticas imprudentes do século XIX.

No entanto, Campoamor inovou na literatura com sua doloroso: Breves composições poéticas anti-românticas de concepção anti-idealista (em oposição a Espronceda e Zorrilla) que foram um sucesso editorial e nunca deixaram de ser publicadas.

Por isso foi profusamente imitado e copiado, e em 1925 o DRAE incorporou a palavra: “Nome inventado pelo poeta Campoamor, por volta de 1846. f. Breve composição poética com espírito dramático, que envolve um pensamento filosófico geralmente sugerido pelos contrastes da vida ou pelas ironias do destino, etc.”.

Assim, apesar das constantes críticas ao seu sentimentalismo trivial e ao seu excessivo naturalismo na descrição de seus personagens, Campoamor também foi um ícone em seu tempo.

Biografia de Ramón de Campoamor

Nascimento

Ramón de Campoamor nasceu em Navia, Astúrias, em 24 de setembro de 1817. Sabe-se que era filho de um fazendeiro chamado Miguel Pérez Campoamor, enquanto sua mãe pertencia a uma família asturiana de classe alta.

Infância e anos de estudos

Quando Ramón tinha quatro anos, seu pai faleceu. O menino ficou aos cuidados de sua mãe, de quem recebeu seu primeiro treinamento. Aos dez anos começou seus estudos em humanidades e latim. Anos depois, ingressou na Ordem dos Jesuítas, mas desistiu pouco depois.

Aos dezoito anos, ainda indeciso, foi estudar filosofia em Santiago de Compostela. Mais tarde estudou matemática e lógica no Convento de Santo Tomás em Madrid.

Depois, optou pela carreira médica, sem dar frutos. Algum tempo depois decidiu-se pelo jornalismo e pela literatura, e passou muito tempo em bibliotecas lendo os clássicos.

Primeiros passos no mundo literário

Campoamor soube definir sua vocação: escrever. Em seus primórdios, o poeta José de Espronceda o procurou e patrocinou algumas de suas obras.

Em 1837 Campoamor já havia publicado seus primeiros versos. Ele trabalhava para jornais. O espanhol S O Posto Nacional.

Aos vinte anos, publicou sua primeira peça, intitulada uma mulher generosa (1838), que nunca foi lançado. Próximo, O castelo de Santa Maria (1838), e mais tarde A delicadeza de querer (1840). A partir daí sua carreira literária começou a despontar, assim como a crítica.

casamento e politica

Campoamor levou uma vida política, foi membro do Partido Moderado. Foi nomeado governador da província de Castellón e posteriormente enviado a Alicante para assumir sua administração. Lá conheceu Guillermina, que seria sua esposa.

O poeta casou-se com Guillermina O’Gorman aos trinta anos. Ela vinha de uma família irlandesa, de boa posição econômica. A fortuna da jovem, segundo quem o conheceu, deu ao poeta um ar burguês que mudou seu rosto. O casal não teve filhos.

Anos mais tarde, Campoamor foi governador de Valência entre 1851 e 1854. Além disso, pertenceu ao Congresso dos Deputados, o que o fez participar de forma consistente na vida pública. Foi profundamente monarquista, o que resultou em uma longa discussão com o político espanhol Juan Bautista Topete.

morte do poeta

A vida de Ramón de Campoamor passou entre a poesia e a política. Apesar do conteúdo fácil de suas rimas e da baixa intensidade de seus versos, conquistou a apreciação de muitos em seu país e em toda a América Latina.

As mulheres eram suas principais leitoras, embora nesse aspecto ele sempre tenha sido conservador e nunca tenha defendido a emancipação feminina.

Morreu em Madri em 11 de fevereiro de 1901, aos 83 anos.

Obras de Ramon de Campoamor

A obra de Ramón de Campoamor pode ser definida como realista, ou seja: rompeu com o sentimentalismo e o emocionalismo típicos do romantismo. Ele foi fortemente criticado porque sua filosofia não estava a par com sua poesia.

O acima refere-se ao fato de seus versos recorrerem muito ao uso de palavras superficiais e fáceis. Além disso, ele frequentemente usava a repetição de frases e palavras para terminar um verso. Esse foi o motivo de muitas críticas de colegas de sua época, principalmente poetas modernistas.

Esses aspectos fizeram com que o nascente modernismo (1880-1920), como corrente literária, rejeitasse sua obra. Ao mesmo tempo, o grupo de escritores que viveu na Espanha durante a Guerra Hispano-Americana, conhecido como Geração de 98, o deixou de lado por seu verso antiquado, mas prosaico.

Desenvolveu trabalhos dentro da poesia, teatro e filosofia, além de outros gêneros. Algumas de suas obras mais representativas são descritas a seguir:

fábulas originais (1842)

Livro de poesia. Campoamor escreveu uma série de fábulas, que se desdobram em temas religiosos e filosóficos. Como todas as suas obras, seu conteúdo está longe dos ideais de beleza e sentimentos.

Dolores (1846)

É a mais importante contribuição poética de Campoamor. As Doloras são um conjunto de poemas curtos, desenvolvidos com vertentes filosóficas e dramáticas. É totalmente contrário aos preceitos românticos. Aborda os princípios do positivismo, que defende o conhecimento científico como genuíno.

A maioria dos poemas, sendo reflexivos, carece de metáforas e símbolos. Muitos são baseados em ideias que contêm uma certa quantidade de sátira. Na verdade, ele contrasta ideias para trazer à tona o humor, que, segundo ele, “provoca uma risada triste”.

filosofia do direito (1846)

É uma de suas obras filosóficas. Nele Campoamor desenvolveu temas relacionados à religião, moral, política e à própria filosofia. Ele fez uma comparação dos aspectos que a sociedade de sua época vivia. O livro está dividido em sete partes.

Refere-se ao propósito que a humanidade tem em sua passagem pelo mundo. Ele argumentou que ser feliz e fazer o bem aos outros é o objetivo. Em geral, o escritor desenvolveu questões relativas ao comportamento do homem e da sociedade a partir da racionalidade.

amor ou morte (1884)

É uma obra escrita em versos, mas por sua forma pode ser encenada em teatro. Trata do amor, do casamento, da vingança e da morte. Desenvolve-se em cenas que descrevem o arranjo de espaço, tempo e lugar.

É um monólogo.

Outras obras (teatro e poesia)

Outros títulos de destaque de sua obra também podem ser mencionados.

Teatro

– Uma mulher generosa (1838)

– O filho de todos (1841)

– O Homem-Deus (1871)

– Os selvagens (1875)

– Depois do casamento (1876)

– A honra (1874)

– Como as mulheres solteiras oram (1884).

Poesia

Andorinhas e flores (1838)

– Aflições da alma (1842)

– O drama universal (1853)

– Os amores de um santo (1886)

– O bom e o sábio (1881)

– Don Juan (1886)

– bem-humorado (1886-1888)

– Fábulas completas (1941)

– Vaidade de beleza, amor e glória.

obras filosóficas

Os títulos mais destacados da obra filosófica de Campoamor foram:

– Personalismo, notas para uma filosofia (1855)

– O absoluto (1865)

– Ideísmo (1883).

Outras de suas obras foram:

– Manuscritos do meu pai (1842)

– Controvérsias (1862)

– Canovas (1884).

Referências

  1. Ramón de Campoamor. Recuperado de ecured.cu
  2. Palenque, M. Ramón de Campoamor. Recuperado de cervantesvirtual.com
  3. Ramón de Campoamor. Recuperado de writers.org