Amazon corta marcas internas devido a vendas fracas

0
28


Koshiro K / Shutterstock.com

A Amazon está reduzindo o número de produtos vendidos sob suas marcas internas, incluindo AmazonBasics, Amazon Essentials e Solimo. Esta é uma grande mudança na estratégia da empresa e, de acordo com o Jornal de Wall StreetÉ por causa das vendas fracas.

No momento da redação deste artigo, a Amazon oferece mais de 250.000 produtos por meio de pelo menos 88 marcas próprias. Mas fontes internas dizem ao WSJ que grande parte desses produtos está no poço. Além disso, os executivos da Amazon consideraram dissolver cerca de 50% de suas marcas.

As baixas vendas parecem ser a força motriz por trás dessa mudança. Mas fatores externos, como a economia, não são os culpados. Parece que a Amazon simplesmente se expandiu demais e perdeu o foco nessa área. Após uma revisão das marcas próprias da Amazon em 2021, o ex-diretor de consumo Dave Clark teria dito à equipe de marcas próprias que deveria se concentrar em produtos fáceis de vender, citando a marca “Great Value” do Walmart como exemplo.

De certa forma, é um retorno à forma. A Amazon lançou inicialmente a marca AmazonBasics em 2009, concentrando-se inteiramente em produtos básicos, como baterias recarregáveis. A corrida para oferecer inúmeras marcas próprias só começou em meados da década de 2010, provavelmente estimulada pelo sucesso da AmazonBasics.

Mas as vendas fracas podem não ser o único fator aqui. As marcas próprias da Amazon são constantemente objeto de debate regulatório, pois muitos críticos acreditam que o manuseio dessas marcas constitui um comportamento anticompetitivo.

Como a Amazon é a maior loja digital do mundo, ela está em uma posição única para coletar dados sobre produtos e clientes. Você pode usar esses dados para dominar uma categoria de produto, como baterias recarregáveis, com preços baixos e publicidade altamente direcionada. Os críticos também afirmam que a Amazon destaca suas marcas sobre os produtos concorrentes.

Ainda assim, a pressão regulatória provavelmente não é a força motriz por trás da decisão da Amazon. Quase todos os varejistas oferecem marcas próprias e os dados de vendas costumam ser o fator decisivo no que essas marcas vendem. Além disso, se as marcas próprias da Amazon venderem mal, os reguladores teriam dificuldade em abrir um processo anticompetitivo contra a empresa.

Se há uma coisa a tirar dessa história, é que a Amazon não conseguiu dominar o mundo com suas marcas internas. Parece que a Amazon continua a ter mais sucesso como varejista, não como fabricante.

Fonte: The Wall Street Journal