HomePtLÍNGUA E LITERATURAquem foi, biografia e obras

quem foi, biografia e obras


Juan de Mena

Quem foi Juan de Mena?

Juan de Mena (1411-1456) foi um renomado escritor espanhol que se destacou principalmente por escrever poemas de conteúdo culto, quase sempre representados por uma figura ou imagem que se referia a algo específico, ou seja, uma alegoria. o Labirinto da Fortuna é sua obra mais famosa.

A poesia de Mena era carregada de alto conteúdo moral e pertencia especificamente ao século XV, período pré-renascentista da literatura espanhola.

É importante notar que ele foi o primeiro escritor que propôs a criação de uma linguagem literária na poesia, totalmente isolada do vulgarismo da época.

Com a linguagem poética e musical de Juan de Mena em cada uma de suas obras, a expressividade se destacou como principal recurso. É considerada a melhor referência para o desenvolvimento da poesia que surgiu na literatura espanhola.

Biografia de Juan de Mena

Nascimento e primeiros anos

Juan de Mena nasceu em Córdoba em 1411. Como muitos escritores dos séculos passados, não se sabe muita informação sobre sua vida. Não há fontes que determinem quem eram seus pais; no entanto, acredita-se que ele perdeu seus pais ainda criança.

Algumas fontes afirmam que era neto de Ruy Fernández de Peñalosa y Mena, que era Senhor de Almenara, e que por sua vez Juan era filho de Pedrarias.

O pai de Mena teria morrido quando ele nasceu. Mena tinha um irmão mais velho, que mais tarde seria conhecido na posição de Vinte e Quatro ou Conselheiro.

Suspeita-se também que fosse de origem judia convertida, o que justificaria a ausência de documentação.

Relacionado com a monarquia

Graduou-se pela Universidade de Salamanca com o título de Master of Arts. Ele serviu como secretário de letras latinas com Juan II de Castela, e ao mesmo tempo como governante da cidade de Córdoba.

Sempre esteve ligado à monarquia. Em 1445 tornou-se cronista oficial do reino castelhano, fruto da nomeação feita pelo próprio rei. Com o Marquês de Santillana, Íñigo López de Mendoza, partilhou a sua afinidade com a literatura e a poesia.

Alguns historiadores afirmam que foi o Marquês quem cuidou de todas as despesas no momento de sua morte, justamente pela amizade que os unia. Tudo isso, embora Mena tenha recebido um bom pagamento dos cofres reais por seu excelente trabalho.

Dúvidas sobre seu casamento

Como quase toda a sua vida, não há dados precisos sobre seu casamento. Alguns autores concordam que ele se casou com uma jovem pertencente a uma conhecida família de Córdoba, mas cujo nome é desconhecido, e com quem não teve filhos.

Por outro lado, há quem afirme que ele se casou pela segunda vez com Marina de Sotomayor. Isso é dito com a dúvida persistente se ela era realmente uma esposa ou uma amante. Se ele teve ou não filhos é uma informação que não está registrada nos arquivos que têm a ver com sua vida.

Opiniões sobre Mena

O excelente trabalho de Mena, ainda em seus primórdios, lhe rendeu a boa opinião de várias personalidades de sua época, que valorizavam e admiravam seu trabalho.

O escritor, humanista e historiador espanhol Alfonso de Cartagena o descreveu assim: “Você traz carnes magras para as grandes vigílias após o livro…”, significando que ele era um estudioso incansável.

Por sua vez, o humanista e embaixador dos Reis Católicos, Juan de Lucena, disse que era obcecado pela poesia, e que ele mesmo lhe disse que gostava tanto da profissão que até se esquecia de comer. Mena era absolutamente apaixonada por escrita e poesia.

Mena e sua busca por estilo

Inicialmente, Juan de Mena não tinha um estilo métrico preciso e, portanto, sua poesia não tinha um ritmo harmônico. Ele tentou primeiro com a pouca variabilidade que os versos de doze sílabas davam.

Mais tarde foi encontrando de maneira determinada a orientação de suas obras para um estilo literário e um tema amoroso.

Legado

Mena foi o escritor que introduziu uma linguagem poética e literária ao castelhano, deixando de lado a linguagem vulgar e simples cotidiana que existia em seu tempo.

Muitas renovações lhe são devidas, entre as quais a introdução do hipérbato – alteração da ordem sintática das palavras na frase – para atingir a métrica nos versos.

Ele também incorporou novas palavras à linguagem da época, como variáveis ​​latinas para dar um sentido mais poético aos seus escritos, deslocando aqueles de linguagem coloquial ou popular. Algo característico de seu trabalho é o uso de palavras esdrújula, que ele considerava dar uma sonoridade melhor ao poema.

morte de mena

Juan de Mena morreu em 1456, em Torrelaguna (Madri). Como se sabe, foi seu grande amigo, o Marquês de Santillana, quem cuidou das despesas do funeral. Uma capela foi erguida na igreja provincial.

Obras de Juan de Mena

A prosa e o trabalho poético de Mena são extensos, mas são feitas referências a talvez até nove manuscritos. Dentre eles, por sua composição e abrangência global, o Labirinto da Fortunatambém conhecido como Os Trezentos.

Labirinto da Fortuna

É considerada sua obra-prima, composta por 297 versos. Diz-se que é um poema dedicado ao rei Juan II; tem sua inspiração no paraíso de Dante Alighieri em sua Divina Comédia. Refere-se especialmente à história e vida política do reinado do monarca.

O conteúdo ou argumento é o seguinte: o próprio autor é violentamente levado à carruagem da deusa da guerra Bellona, ​​que era conduzida por dragões, e levada ao palácio da Fortuna, que é uma alegoria da deusa romano Por sorte.

Mais tarde, o mundo é mostrado a ele no passado, presente e futuro por meio de uma máquina que tem três grandes rodas. Cada uma dessas rodas apresenta lugares relacionados à mitologia onde ocorrem diferentes eventos.

Sua admiração por Álvaro de Luna

Além disso, nesta obra Mena mostra a admiração que sente pelo Conde Álvaro de Luna, e dedica algumas palavras de reconhecimento a ele, considerado de longe o mais extenso dedicado a uma pessoa.

O autor considerava que possuía todas as qualidades para enfrentar as situações políticas da época.

O homem de os trezentos

Por último, para Labirinto da Fortuna Ele também era conhecido pelo nome de os trezentos por causa do número de versos que continha. Embora no início houvesse 297, depois Juan II pediu-lhe que os fizesse tão longos quanto os dias do ano, então o autor acrescentou cerca de 24 mais.

fragmento de O labirinto da fortuna

“E rasga com unhas cruéis seu rosto,

Festeja seus seios com moderação;

beijando a boca fria do filho,

amaldiçoar as mãos de quem o matou,

amaldiçoe a guerra se ela vai começar,

busca com raiva brigas cruéis,

nega-se a revisão desses

e como morto quando para”.

A coroação ou Os anos cinquenta

Considerada a primeira obra poética deste autor, foi concluída em 1438. Tinha como subtítulo “Calamicleos”, algo parecido com o descrito em sua introdução: um contrato de miséria e glória.

A coroação É composto de cinquenta dísticos e um dístico real. Isso fez com que no desenvolvimento dos séculos XV e XVI os mesmos leitores a chamassem de Os cinquenta de Juan de Mena.

fragmento de A coroação

“Os seus caroços virginais

dessas nove donzelas,

eles foram muito legais

como flores rosas

misturado com neve branca.

Dísticos Contra Pecados Mortais

Esta obra data dos últimos anos de vida de Mena, em relação aos descritos acima, duplica o número de estrofes. Também é conhecido como Debate da Razão Contra a Vontade.

Está escrito em uma linguagem mais descontraída, menos pomposa. Neste trabalho, Mena não usa latim. É uma obra considerada inacabada por muitos escritores do século XV, pois asseguravam que a hora da morte do autor chegou sem terminar o que havia começado.

Homero romântico

Era uma obra em prosa, escrita por Mena em 1442. É um retorno ao Ilíada. O autor também a dedicou ao rei D. João II, e durante o século XV alcançou grande sucesso devido ao seu conteúdo, pois se tornou uma espécie de resumo substancial da obra original.

Tratado sobre o título do duque

Escrito em 1445, é uma obra curta com o objetivo de elogiar o nobre espanhol Juan de Guzmán depois de receber o título de Duque de Medina Sidonia de Juan II. Seu conteúdo é formal e cavalheiresco.

Memória de algumas linhagens antigas

É talvez a última obra em prosa conhecida por Juan de Mena, e é datada de 1448. Trata da genealogia monárquica e dos emblemas que representavam o rei Juan II. São escritos dos quais não há muitas referências.

Considera-se que estas memórias foram um pedido que D. Álvaro fez a Mena, depois de ter sabido dos louvores que professava na Labirinto.

Proêmio ao Livro das Mulheres Virtuosas e Claras de Álvaro de Luna

Esta introdução ao livro do Conde de Castela foi escrita em 1446. Neste escrito, Juan de Mena destaca de Luna por sua atitude de defender as mulheres que haviam sido ofendidas em inúmeras publicações.

O desenvolvimento da prosa de Mena faz parte do elogio às mulheres, suas características e atuação na sociedade. Ele se opunha totalmente àqueles que eram contra o gênero feminino e eram despóticos.

Tratado de amor

É um pequeno tratado que não especifica se foi realmente escrito por Mena. O que fica claro é o assunto que nele é exposto. Possui um alto conteúdo de recursos literários.

Referências

  1. Juan de Mena (2018). (Espanha): Wikipédia. Retirado de: wikipedia.org
  2. Juan de Mena (2018). (N/a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com
  3. Juan de Mena (Sf). (N/a): Escritores. Recuperado de:writers.org
  4. Juan de Mena (Sf). (N/a): Mcn Biografias. Recuperado de: mcnbiografias.com
  5. A Vida de Juan de Mena (2005-2018). (N/a): Perse. Retirado de: persee.fr

Must Read

%d bloggers like this: