HomePtLÍNGUA E LITERATURAquem foi, biografia e obras

quem foi, biografia e obras


Reprodução da gravura de Brieva, de Antonio de Nebrija, publicada na “Calcografía Nacional” em 1892

Quem foi Antonio de Nebrija?

Antonio de Nebrija (1441-1522) foi um intelectual e humanista espanhol. A sua importância histórica reside no facto de ter sido o autor do primeiro gramática castelhanapublicado em 1492, um dicionário e um livro de vocabulário espanhol-latim e latim-espanhol, além de muitos outros textos de gramática e filologia.

o gramática castelhana de Nebrija é considerado o primeiro texto normativo para uma língua vulgar, por isso abriu um precedente para escritos posteriores em outras línguas românicas.

Este texto foi publicado com uma dedicatória à Rainha Isabel, a Católica, que aparece no seu famoso prólogo, onde se exprimem as razões do autor para regular o espanhol.

Além disso, ele é lembrado por instalar a primeira prensa tipográfica na cidade de Salamanca e foi o primeiro escritor ocidental a reivindicar direitos autorais.

Ele também foi um excelente professor de retórica e gramática; pedagogo, historiador, tradutor, teólogo e poeta.

Biografia de Antonio de Nebrija

Nascimento, educação e juventude

Elio Antonio Martínez de Cala y Xarava nasceu em Lebrija, então chamada “Nebrissa Veneria” (às vezes transliterada como Nebrija ou Nebrixa), na província de Sevilha, em 1444.

Ele estudou humanidades na Universidade de Salamanca. Lá ele se destacou entre seus pares por seus dons intelectuais.

Transfer para Bolonha

Após graduar-se aos 19 anos, mudou-se para Bolonha, Itália, onde permaneceu por vários anos ampliando sua formação humanística.

Nesse local cultivou as ideias herdadas de Francesco Petrarca, Giovanni Boccaccio e outros autores. Em Bolonha, priorizou-se a leitura e o ensino dos clássicos da literatura greco-latina.

Além disso, o homem foi tomado como a medida de todas as coisas, dando a maior atenção ao desenvolvimento das atividades intelectuais, tanto no campo das letras quanto na astronomia, medicina e matemática.

Todos esses princípios o fizeram ver a educação da Espanha como rudimentar ou “bárbara”, e mais tarde, em sua carreira de educador, propôs levar esse estilo de formação antropocêntrica a seus alunos.

Bolsa de estudos em Bolonha

Em Bolonha, graças a uma bolsa concedida pelo Bispo de Córdoba, matriculou-se no Colegio Español de San Clemente. Ele recebeu aulas de teologia, medicina, geografia, história, matemática, astronomia e direito.

Ele estudou latim e grego em profundidade, que, segundo Nebrija, não receberam atenção suficiente nos centros educacionais da Espanha. Ele também leu as obras gramaticais de Diomedes Grammaticus, Aelius Donatus e Priscian, e estudou hebraico antigo.

Mais tarde continuou fazendo cursos na Universidade de Bolonha, onde recebeu aulas do estudioso italiano Martino Galeoto, entre outros tutores.

Retorno à Espanha e carreira como educador

Em 1470 voltou para a Espanha, especificamente para Sevilha, determinado a transferir as ideias humanistas italianas para sua província.

Em Sevilha foi designado professor do sobrinho do Arcebispo Alonso de Fonseca, iniciando assim a sua carreira de educador. Durante esses anos adotou o apelido de Elio de Nebrija, para homenagear sua cidade natal.

Ele também foi tutor de outros jovens sevilhanos, dando aulas na capela de Granada, localizada no Patio de los Naranjos, atrás da catedral de Sevilha.

Em 1473 foi nomeado professor da Universidade de Salamanca, onde estudou, assumindo as cadeiras de Retórica e Gramática. Em suas aulas, ele se esforçou para ensinar latim a seus alunos.

Casado

Em 1473 casou-se com Isabel Solís de Maldonado, com quem teve sete filhos e em anos posteriores viveu por algumas temporadas na Extremadura. Ele teve muitos outros filhos ilegítimos.

Em 1488 foi trabalhar com Juan de Zúñiga, Mestre da Ordem de Alcántara, e tornou-se seu patrono durante sete anos. Durante este tempo dedicou-se a expandir seus estudos e produzir seus escritos mais importantes.

Em 1509 voltou a Salamanca, onde voltou a exercer a profissão de professor de retórica.

Ao longo de sua carreira nesta universidade teve uma série de desentendimentos com seus colegas, em parte porque desdenhava os métodos de ensino e as teorias transmitidas por seus etimólogos, lexicólogos e gramáticos contemporâneos.

A partir de 1514, graças à influência do cardeal Francisco Jiménez de Cisneros, atuou como professor visitante da cátedra de retórica da Universidade de Alcalá de Henares, em Madri, onde foi amplamente celebrado por seus alunos e colegas.

Morte

Ele morreu em 2 de julho de 1522 em Madri, aos 78 anos, de um derrame.

eu trabalho como impressora

Em 1492 foi instalada a primeira prensa tipográfica na cidade de Salamanca. Foi lá que algumas das principais obras de Nebrija foram impressas.

Muitos estudiosos afirmam que o próprio Nebrija estava no comando dessa empresa, mas ele optou por manter sua assinatura anônima.

Acredita-se que foi porque sua posição acadêmica o impedia legalmente de manter negócios mercantis. A tipografia ficava na chamada rua dos livreiros.

Foram seus sucessores que desenvolveram o negócio e obtiveram o monopólio na Espanha e na América das obras de Nebrija durante as décadas seguintes.

Tocam

Apresentações latinas

Em 1481, enquanto era professor da Universidade de Salamanca, publica-se Apresentações latinasseu primeiro grande trabalho conhecido.

É um texto pedagógico que resume de forma relativamente simples suas novas técnicas para ensinar latim aos alunos.

A versão espanhola desta obra foi editada pelo próprio Nebrija e publicada em 1488.

Lexicon latino-castellanum et castellano-latinum

Em 1492 Nebrija publicou o dicionário Lexicon latino-castellanum et castellano-latinum. Este livro era uma referência obrigatória naquela época, e por muitos anos depois, tanto para os leitores que queriam acessar as obras clássicas escritas em latim, quanto para os estrangeiros que queriam entender os textos em espanhol.

gramática castelhana

Nesse mesmo ano, a primeira edição de seu gramática castelhanacoincidindo com a chegada ao Novo Mundo das expedições de Cristóvão Colombo.

Foi uma obra de difícil aceitação na época de sua publicação, pois tinha o formato de um romance e foi a primeira gramática escrita para uma língua “vulgar”, como o espanhol, que não teve a mesma aceitação que Latim para escrita formal.

Vocabulário espanhol-latim e latim-espanhol

Em 1495 foi publicado Vocabulário espanhol-latim e latim-espanholque complementava seu dicionário acima mencionado.

Esses dois textos continham mais de 30.000 termos para o latim-castelhano e 20.000 para o castelhano-latino, sendo obras inéditas para uma língua românica.

Bíblia Poliglota Complutense

Mais tarde, trabalhou por vários anos como latinista na realização do Bíblia Poliglota Complutenseobra coletiva patrocinada pelo Cardeal Cisneros.

O resultado de sua colaboração foi publicado em 1516, em uma obra intitulada Tertia Quinquagenaque consiste em uma série de notas explicativas sobre as Sagradas Escrituras.

Regras de ortografia espanhola e outros textos

Em 1517 foi publicado regras de ortografia em espanholtexto que deu continuidade aos seus estudos gramaticais e seu esforço para regular o castelhano.

Outros textos e ensaios sobre direito são de sua autoria (Léxico Iurus Civilis), pedagogia (de liberis educardizer), astronomia, arqueologia (Antiguidades da Espanha), numeração, entre outros temas de estudo.

Ele se concentrou em delinear seu conhecimento variado e implementar um sistema gramatical para o espanhol.

Esta impressionante obra literária levou-o a ser considerado um dos maiores humanistas das letras espanholas.

detalhes do gramática castelhana

o gramática castelhanacujo título original em latim é Grammatica Antonii Nebrissensis, foi escrito à maneira latina. Os termos e princípios estruturantes foram baseados em formas latinas.

Nebrija considerou o latim como uma língua mais perfeita do que o resto das línguas derivadas dele.

Estrutura

gramática castelhana Está estruturado em cinco livros. O primeiro, de dez capítulos, trata da ortografia. A segunda trata da sílaba e da prosódia. O terceiro livro contém 17 capítulos sobre dicção e etimologia dos termos.

A estrutura das frases e a sintaxe correta são explicadas nos sete capítulos do quarto livro. E, por fim, no quinto, o autor fala sobre o aprendizado do espanhol como língua estrangeira.

Essa estruturação, que durou alguns séculos na Europa, obedece ao princípio de Nebrija de que o aprendizado de qualquer língua é feito de ortografia, prosódia, sintaxe e etimologia, todas de igual importância para a gramática.

Ele também apontou as categorias gramaticais: artigo, substantivo, pronome, preposição, verbo, particípio, advérbio, conjunção, gerúndio e substantivo participial infinito.

Importância do prólogo

Quase tão importante quanto a obra foi o prólogo, escrito como uma dedicatória à rainha Isabel de Castela. Lá, o autor falou sobre as motivações que o levaram a escrever o gramática castelhana.

Nessa notável introdução, Nebrija enfatizou a necessidade de emitir regulamentos para o uso correto da língua espanhola. Seu objetivo era garantir a permanência da língua ao longo do tempo, bem como garantir que o latim fosse aprendido a partir das línguas românicas.

Ele desenvolveu essa última ideia em seus anos como professor de gramática e retórica na Universidade de Salamanca, quando percebeu que os alunos achavam difícil aprender latim.

natureza política do livro

De acordo com várias leituras, pode-se intuir uma terceira motivação de natureza política.

A ideia de tornar a língua castelhana algo padrão e homogêneo, acessível a todos, era necessária para que pudesse servir de instrumento unificador para o Império Espanhol.

Além disso, buscou-se que a língua pudesse ser ensinada em regiões estrangeiras, seja dentro da própria Europa (entre franceses, italianos, navarros, biscaios…) ou em lugares mais distantes.

Esse uso da linguagem como elemento unificador do império é uma ideia semelhante à defendida por alguns humanistas florentinos do mesmo período. Muito antes, falava-se da necessidade de unificar os estados que compunham a Itália através da língua toscana, base do italiano moderno.

O uso de figuras literárias

Outro aspecto destacado por muitos estudiosos da gramática castelhana, é o elo estabelecido por seu autor entre o estudo da gramática e as figuras literárias. Ao fazer uso desse vínculo entre língua e literatura, promoveu um melhor aprendizado da mesma e maior acerto em seu uso diário.

A de Nebrija foi a primeira gramática publicada para uma língua românica. O seu aparecimento foi essencial para a difusão da língua castelhana. Este livro foi usado como uma ferramenta de colonização nas regiões americanas recém-descobertas.

Além disso, serviu de modelo para gramáticas posteriores, tanto em castelhano quanto em outras línguas românicas.

Referências

  1. Antonio de Nebrija (S. f.). Recuperado de es.wikipedia.org
  2. Elio Antonio de Nebrija (S. f.). Recuperado de biografiasyvidas.com
  3. Elio Antonio de Nebrija (S. f.). Recuperado de cvc.cervantes.es
  4. Elio Antonio de Nebrija (S. f.) Recuperado de Buscabiografias.com
  5. Quem foi Antonio de Nebrija? (S.f.). Recuperado de kerchak.com

Must Read

%d bloggers like this: