HomePtLÍNGUA E LITERATURAquem foi, biografia e obras

quem foi, biografia e obras


Retrato do Marquês de Santillana

Quem foi o Marquês de Santillana?

o Marquês de Santillana (1398-1458), cujo nome era Íñigo López de Mendoza, foi um notável poeta espanhol e cavaleiro de armas do século XV. Ele veio de uma longa linhagem de nobres poetas e soldados, e estava relacionado com figuras proeminentes da literatura espanhola, como Gómez Manrique e Jorge Manrique.

Escreveu numerosos sonetos, serranilhas, poemas de diálogo, canções líricas, provérbios, estudos, prólogos e cultivou muitas outras formas literárias.

Foi também um renomado tradutor de textos antigos, editor de sua própria obra e de seus contemporâneos.

Destacou especialmente o seu esforço para adaptar o soneto “no modo itálico” (popularizado por Petrarca no século XIV) às formas castelhanas, cujo resultado, embora imperfeito, é um antecessor do soneto renascentista e da obra de Garcilaso de la Vega , sobrinho-neto de Petrarca, Marquês de Santillana.

Foi cavaleiro da coroa de Aragão e fiel aliado de Juan II de Castela, a quem foi leal durante toda a vida. Junto com isso, ele participou de várias campanhas e conflitos políticos.

Biografia do Marquês de Santillana

Primeiros anos

Íñigo López de Mendoza, 1º Conde do Real de Manzanares, 1º Marquês de Santillana e Senhor de Hita e Buitrago del Lozoya, nasceu em 19 de agosto de 1398, em Carrión de los Condes, província de Palencia, Espanha.

Seus pais eram Don Diego Hurtado de Mendoza, Almirante Prefeito de Castela, e Dona Leonor Lasso de La Vega, herdeira de ricos solares nas Astúrias de Santillana.

Em 1404, quando ele tinha apenas cinco anos, seu pai morreu. Íñigo herdou a maior parte de seus bens e teve que enfrentar inúmeras brigas familiares com sua mãe.

A maior parte de sua infância foi passada na mansão de Dona Mencía de Cisneros, sua avó materna. Na biblioteca desta residência teve os primeiros contactos com a poesia e a lírica popular, tanto castelhana como provençal.

Desde cedo teve a tutoria de parentes educados em política e letras, como seu tio-avô Pedro López de Ayala, chanceler e escritor.

Já na adolescência, sua formação ficou a cargo de seu tio Gutierre Álvarez de Toledo, que mais tarde se tornaria bispo de Palencia.

Casamento e vida cavalheiresca

Em 1408, ainda adolescente, casou-se com Catalina Suárez de Figueroa, filha de Lorenzo Suárez de Figueroa, mestre de Santiago.

Uma vez reafirmada a sua posição de nobreza através do casamento, o Marquês viajou para Aragão onde viveu na corte. Primeiro esteve na comitiva de Fernando de Antequera e depois na do seu sucessor Afonso V, de quem era copeiro.

Ao longo dos primeiros anos de sua vida política foi partidário dos príncipes e infantes de Aragão, a quem dedicou numerosos versos, narrando seus conflitos políticos durante o reinado de Juan II de Castela.

Ao longo de sua estada na corte aragonesa, estudou poetas gregos e latinos clássicos e se declarou um fervoroso admirador de Virgílio e Dante.

Teve contato com nobres poetas de várias regiões, como o catalão Jordi de Sant Jordi, com quem estabeleceu uma amizade duradoura.

Ele também estava em contato com Don Enrique de Villena, um teólogo e astrólogo aragonês. Este estudioso teve profunda influência sobre Íñigo e com quem manteria uma profícua troca de conhecimentos até a morte de Villena em 1434.

Com sua esposa, Catalina, ele teve 10 filhos.

Atividades políticas e de armas

Após sua permanência na corte aragonesa, Íñigo permaneceu fiel a Juan II de Castela e foi adversário de Álvaro de Luna, o favorito do rei. Chegou mesmo a opor-se aos aragoneses quando estes tentaram invadir Castela em meados de 1429, mostrando-se disposto a participar no combate armado.

Inimizade com os infantes de Aragão

Essas ações lhe renderam a inimizade dos infantes de Aragão e o reconhecimento de Juan II. O rei o recompensou, uma vez que o conflito cessou, com as chamadas tréguas de Majano, com doze cidades e quinhentos vassalos em seu senhorio de La Alcarria.

A sua relação com os príncipes e infantes de Aragão flutuou a partir desse momento, declarando-se a favor ou contra os seus interesses consoante as circunstâncias.

Mais tarde, acompanhou Juan II à guerra em Granada e adoeceu durante a campanha em Córdoba, pela qual teve que abandonar a expedição.

Conflitos com Álvaro de Luna

Durante esta guerra, surgiram conflitos entre Don Álvaro de Luna e outros nobres a serviço do rei, já que Luna tinha mais poder do que aqueles.

Don Íñigo López tomou partido contra Álvaro Luna e a favor dos outros nobres, incluindo o Senhor de Batres, o Conde de Haro, o Conde de Alba e o Bispo Gómez de Toledo.

Em 1438 o rei retomou a guerra em Granada e nomeou-o Capitão Prefeito, confiando-lhe a defesa da fronteira entre Córdoba e Jaén. Obteve uma vitória retumbante na tomada da cidade de Huelma e da fortaleza de Bexis.

Juan de Mena dedica-lhe uma composição

Mais tarde, Juan de Mena compôs Coroação do Marquês de Santillana, onde todas essas conquistas militares são cantadas. Ele e o Marquês eram grandes amigos.

de volta à guerra

Em 1445 foi novamente chamado às armas na Primeira Batalha de Olmedo. Depois disso e por sua lealdade à Coroa, Juan II de Castela concedeu-lhe o título de Marquês de Santillana e o condado de Real de Manzanares.

Mais tarde, em 1453, foi um participante ativo na queda política e execução pública de Álvaro de Luna, que ocorreu na Plaza de Valladolid, uma vez que o rei decidiu retirar seu apoio de Luna.

Em 1455 Enrique IV de Castela, sucessor de Juan II, voltou a solicitar a colaboração do Marquês na campanha contra o reino nasrida de Granada, sendo esta a sua última participação num conflito armado.

Nos períodos entre esses conflitos, o Marquês se isolou em suas terras em Guadalajara e as aproveitou para sua atividade literária.

Morte

O Marquês de Santillana morreu em Guadalajara em 25 de março de 1458, cercado por seus filhos, o capelão Pero Díaz de Toledo e seu primo, o conde de Alba.

Sua esposa havia morrido alguns anos antes, em 1455. Mas Díaz de Toledo escreveu mais tarde Diálogo e raciocínio na morte do Marquês de Santillanatrabalho sobre sua morte.

Obras do Marquês de Santillana

Formas poéticas desenvolvidas

Manuseava versos hendecassílabos e a forma típica do soneto italiano: quatorze versos de arte maior, dispostos em duas quadras e duas tercinas, cuja rima costuma ser ABBA ABBA nas quadras e CDC CDC, CDE CDE ou CDC DCD nas tercinas. Esse aprendizado se reflete em Sonetos em modo itálico.

Em sua casa em Guadalajara tinha uma grande biblioteca, onde se reuniam frequentemente doutores em letras e ciências, além de artistas e letrados que compunham um círculo de estudos.

Esta biblioteca continha numerosos manuscritos de Homero, Platão, Cícero, Sêneca, Francesco Petrarca, Santo Agostinho, São João Crisóstomo, Afonso X, Honoré Bouvet, Dante Alighieri, Valerio Máximo, Giovanni Boccaccio, Leonardo Bruni, Alain Chartier, Giannozzo Manetti, Roman de la Rosa, entre outros.

Muitos desses documentos foram precedidos de estudos e preâmbulos do próprio Marquês.

Cada um desses manuscritos foi pintado e cuidadosamente decorado com o brasão da casa de Mendoza e seu lema. A seleção dos autores indica sua dedicação ao cultivo de todo tipo de conhecimento.

Prohemio e carta ao condestável Dom Pedro de Portugal

Foi um dos primeiros autores a escrever em espanhol uma breve história da literatura europeia, intitulada Prohemio e carta ao condestável Dom Pedro de Portugalque também contém reflexões críticas e impressões pessoais sobre a literatura em geral, e é uma de suas obras em prosa mais importantes.

Sua primeira compilação de obras

Da mesma forma, em 1445 ele produziu uma primeira compilação de suas obras, que prenunciou com uma Ars Poetica. Este gesto era incomum na tradição castelhana da época, acredita-se que tenha sido um dos primeiros escritos do gênero na língua.

Dentro do que se poderia chamar de poesia alegórica, podemos citar:

– Inferno dos amantes (inspirado em A Divina Comédia).

– Morte de Dom Enrique de Villena (escrito após a morte de seu amigo).

– Coroação de Mossén Jorde (louvor ao poeta Jordi de Sant Jordi).

– A plantação da Rainha Margarida, briga de amor e a Comédia Ponzaem que se narra a batalha naval de Ponza em 1435, em forma de sonetos de grande arte.

Diálogo do Preconceito contra a Fortuna e o Doutrinário do Privado

Narra a queda de Álvaro de Luna, enquadram-se em temas mais dogmáticos ou doutrinários e são poemas de diálogo, que narram um acontecimento adotando a voz de dois protagonistas.

melhores obras

No entanto, talvez suas obras mais bem-sucedidas e mais lembradas sejam aquelas com temas pastorais, como é o caso de:

Serranilhas.

– Canções e provérbios.

– Cante que o Marquês de Santillana fez ao seu fixo elogiando sua beleza.

Referências

  1. Marquês de Santillana (S. f.). Espanha: Recuperado de: cervantesvirtual.com
  2. Marquês de Santillana (S. f.). (N/a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com
  3. Serranilla (S.f.). (n / D). Wikipédia. Retirado de: wikipedia.org
  4. Marqués de Santillana: biografia e obras mais destacadas (S. f.). (N/d): Overblog. Retirado de: overblog.com

Must Read

%d bloggers like this: