quem foi, biografia e trabalho

0
69


Receita de Loção para o Rosto com...
Receita de Loção para o Rosto com Aveia
Alonso de Ercilla e Zuñiga. Fonte: Antonio Butcher [Public domain]

Quem foi Alonso de Ercilla?

Alonso de Ercilla (1533-1594) foi um militar e poeta Espanhol do renascimento literário. Ele é mais conhecido por ter escrito um dos poemas épicos do Novo Mundo, A Araucana.

co participoupapel militar nas batalhas pela conquista de novas terras para a Coroa espanhola, especificamente o que hoje é conhecido como sul do Peru e Chile.

Biografia de Alonso de Ercilla

Don Alonso de Ercilla y Zúñiga nasceu na Espanha em 1533, em 7 de agosto. Seu pai era Fortunio García de Ercilla e sua mãe Leonor de Zúñiga. Ele foi o sexto de vários filhos.

Embora se diga que nasceu em Madrid, há quem afirme que realmente nasceu em Bermeo, pelo facto de os seus antepassados ​​ali terem vivido ou porque, embora não haja menção de Madrid nos seus escritos, menciona Bermeo muito em seu trabalho.

No entanto, deve-se notar que o pequeno Alonso foi apresentado em Madri de acordo com os costumes da Igreja Católica.

morte de seu pai

Poucos dados são conhecidos sobre sua vida. Um ano e alguns meses depois de nascer ficou órfão, pois seu pai morreu, depois de ter se mudado com toda a família de Bermeo para Valladolid, fugindo da peste. Depois dessa tragédia, sua família entrou em um primeiro período de problemas e necessidades econômicas.

Infância e entrada na corte de Carlos V

Sua infância foi passada entre as cidades de Nájera e Bobadilla, onde aprendeu a ler e escrever. Após a morte do pai, a mãe, Leonor, tornou-se dama de companhia da rainha Isabel de Espanha, e o pequeno Alonso tornou-se pajem do príncipe Felipe, futuro rei Felipe II. Foi assim que a família entrou na corte de Carlos V.

Alonso acompanhou o príncipe Felipe em inúmeras viagens à Itália, Flandres e Inglaterra por um período de 3 anos. Durante esse tempo pouco Alonso aprendeu latim (aperfeiçoou-o neste caso, pois já o havia aprendido no primeiro nível durante sua estada em Bobadilla), francês, alemão e italiano, além de uma sólida formação humanista (Bíblia, Dante, Bocaccio, Virgílio, Ariosto e Garcilaso).

É preciso destacar que, embora a formação de Ercilla fosse sólida, ela não era completa (como zombaria dos que o cercavam, passou a ser chamado de “inerudito”), pois sua biblioteca de volumes clássicos carecia de livros.

Viagens

Começou a viajar aos 15 anos. Em 1548, o príncipe Philip preparou-se para visitar seu pai, o imperador Carlos V, na Flandres. Esta “temporada de viagens” durou um total de 7 anos e incluiu os três países mencionados acima.

Entre as cidades que visitou estão Milão, Gênova, Nápoles, Mântua, Trento, Inspruck, Munique, Heidelberg, Lutzekburg, Bruxelas, Augsburg, Londres, Barcelona, ​​Áustria, Boêmia e algumas cidades da Hungria e França.

O soldado

Em 1555 chegou à corte a notícia de que o governador do Chile, Pedro Valdivia, havia sido assassinado em uma revolta dos araucanos e que Francisco Hernández Girón havia pegado em armas no Peru.

Naquela época, Alonso tinha apenas 21 anos e acompanhou a realeza em uma viagem a Londres para celebrar um segundo casamento. Ercilla deixou de lado as festividades e viajou para o Novo Mundo para enfrentar as revoltas dos nativos.

Ele então viajou para o Peru e Chile, e participou de várias batalhas, e fez parte de uma campanha no Panamá. O poeta passou 8 anos lutando nessas guerras no continente americano.

Enquanto no Chile assistiu à morte de Caupolicán, protagonista de seu futuro poema, e no Peru sofreu um revés inusitado.

Briga com Pineda e risco de morte

Três anos depois de chegar ao Novo Mundo, no Peru, Ercilla teve um confronto com Juan de Pineda durante uma festa. Os homens estavam brigando há muito tempo.

Na situação violenta, Ercilla ficou ferido e os dois soldados foram presos por ordem do governador García Hurtado y Mendoza, que solicitou a execução de ambos na manhã seguinte.

Entre espanto e indignação com a radicalidade da resolução do governador, um importante grupo de pessoas com influência no governo decidiu procurar duas mulheres, uma espanhola e uma araucana (de quem o governador gostava particularmente) para que intercedessem pelos homens, especialmente por Alonso.

A Araucana que salvou a vida de Ercilla

Na noite anterior à execução, García Hurtado y Mendoza foi para casa, pedindo para não ser incomodado. No entanto, as duas mulheres encontraram uma maneira de entrar no quarto do governador para convencê-lo a libertar os dois prisioneiros. Foi assim que Alonso conseguiu sair da prisão e evitar a morte naquele dia.

Alonso de Ercilla continuou no Novo Mundo até 1562. Participou constantemente nas campanhas de conquista e reconquista de territórios para a Coroa espanhola.

Durante esses anos fez um registro de suas andanças, refletindo-se no poema A Araucana. Conta-se que o poeta batizou o manuscrito em homenagem à menina araucana que conseguiu convencer o governador a interromper sua execução.

eu voltar para a espanha

Terminadas as campanhas e superada a “sentença” no Peru, Alonso dirigiu seus passos para o Panamá. Embora quando chegou à Colômbia teve que ficar em Cartagena por um tempo, devido a uma doença curiosa que ele mencionou em seu poema.

Um ano e meio depois de sua viagem, em 1563, Alonso retornou ao Velho Mundo (Sevilha, Madri).

Uma viagem de perdas

As viagens de Alonso de Ercilla aos vice-reinados e províncias da Espanha no continente americano não foram muito produtivas economicamente.

Além das campanhas e batalhas, houve tempos de fome, miséria, vigílias, roubo de seus pertences e dívidas, e de quase perder a vida no Peru.

Atraso de seu livro e outros eventos

Nos anos seguintes, Ercilla dedicou-se a completar as canções de seu extenso poema. No entanto, levou 6 anos para ele publicar o poema, porque ele pagou a impressão do próprio bolso.

Embora a principal razão para o atraso fosse o custo dessa impressão, também houve outros desenvolvimentos.

Alonso teve que participar de algumas viagens a Viena, além de alguns casos amorosos em que esteve envolvido. Soma-se a isso a trágica morte de sua irmã María Magdalena de Zúñiga e, por outro lado, seu casamento.

A morte da irmã de Alonso em 1569 trouxe-lhe uma importante herança que o ajudou a cobrir os custos de impressão de sua obra.

Mais tarde, em 1570, casou-se com Dona María de Bazán, cujo dote de 8 milhões de maravedís significou para Ercilla uma vida livre de preocupações materiais e, portanto, de feliz e plena dedicação ao resto de sua obra, entre 1578 e 1589, respectivamente.

Uma vida adulta confortável e reconhecimentos

Os anos de maturidade de Ercilla transcorreram em conforto econômico e a fama conquistada por seu trabalho, recebida, finalmente, com grande admiração.

A esta vida confortável agregou-se, em 1571, a nomeação de Cavaleiro da Ordem de Santiago, bem como a de fidalgo, esta pelo Imperador Maximiliano.

A morte de Ercilla

Os últimos dias de Ercilla foram passados ​​em Madrid. Sua saúde foi diminuindo gradualmente, piorando devido ao clima de Madri.

O frio e as chuvas de inverno o afetaram de maneira notável. Ercilla diminuiu rapidamente suas atividades mundanas até que finalmente morreu em 29 de novembro de 1594.

Local de construção

A Araucanaobra-prima de Ercilla, é um poema épico em 3 partes (1569, 1578 e 1589) onde o autor narra, em oitavas reais, as duras batalhas entre mapuches e araucanos contra os espanhóis.

A gênese da música ocorreu no próprio campo de batalha, onde, como Júlio César, Ercilla lutava de dia e escrevia à noite.

Devido às complicações da guerra, Ercilla escreveu muitos dos versos no verso de outras cartas, pedaços de couro e até mesmo casca de madeira, já que o papel era escasso.

O poema entrelaçou em seus versos os fatos da guerra com a comparação mitológica e o engrandecimento do inimigo. Com isso, o momento da vitória tornou-se mais nobre e transcendente. Sem descuidar da história, o poema tem sido visto como uma verdadeira crônica de guerra.

O próprio Cervantes considerou esta obra como o maior exemplo de epopeia escrita em língua castelhana, como outros grandes escritores da Idade de Ouro.

Alguns outros escritores, como o chileno Pedro de Oña, elogiam a obra de Ercilla. O trabalho é considerado ainda superior ao A Jerusalém conquistadade Lope de Vega.

Referências

  1. Alonso de Ercilla (S. f.). Recuperado de wikipedia.org
  2. Alonso de Ercilla (S. f.). Recuperado de cervantesvirtual.com
  3. Alonso de Ercilla (S. f.). Recuperado de writers.org
  4. Alonso de Ercilla (S. f.). Recuperado de biografiasyvidas.com
  5. Alonso de Ercilla (S. f.). Recuperado de memoriachilena.cl