quem foi, biografia, estilo literário e obras

0
19


Dolores Veintimilla

Quem foi Dolores Veintimilla?

Dolores Veintimilla (1829-1857) foi uma poetisa equatoriana do século XIX. Ele veio de uma família rica, então ele recebeu uma boa educação. Seu poema mais conhecido é reclamações.

Aos 18 anos casou-se com o Dr. Sixto Galindo, com quem teve um filho.

Depois que a família se mudou para Guayaquil, Veintimilla entrou em contato com a intelectualidade da cidade e isso despertou nela o desejo de expressar seus sentimentos usando a poesia como ferramenta.

Mais tarde, eles se mudaram para Cuenca, onde sua fama de mulher educada a precedeu. Isso permitiu que ela se relacionasse com as famílias mais importantes do lugar, que a admiravam e a tinham em alta estima.

Seu marido a abandonou, embora lhe fornecesse os meios mensais para sobreviver sozinha com o filho. Foi então que se entregou totalmente à escrita para desabafar suas mágoas e os sofrimentos gerados pela solidão e pela crueldade da vida.

Mas o mundo não teve piedade da natureza delicada de Dolores Veintimilla, que teve que suportar o assédio promovido pelo frei Vicente Solano. Ela foi cruelmente caluniada e humilhada em inúmeros escritos que circularam pela cidade.

Enfrentou o machismo da sociedade e da época, mas a incompreensão da cidade onde morava a levou a acabar com a vida aos 27 anos.

Biografia de Dolores Veintimilla

Primeiros anos

Dolores Veintimilla nasceu em 12 de julho de 1829 em Quito, Equador. Seus pais eram José Veintimilla e Jerónima Carrión y Antepara.

Aos 8 anos começou a frequentar o Colégio Santa María del Socorro, dirigido pelo chileno Isaac W. Wheelwright. Então ele estava na escola dominicana de Santa Catalina de Siena. Lá ele aprendeu a instrução básica.

Além disso, com as irmãs dominicanas, Veintimilla recebeu educação religiosa e tinha prática em certas tarefas úteis para uma mulher da época, como cozinhar, bordar, tecer e costurar.

Veintimilla também foi cultivada em algumas disciplinas artísticas. Rosa Carrión foi sua professora de música e o ensinou, entre outros instrumentos, a tocar piano. Antonio Salas treinou a menina em desenho e pintura.

Nessa época, a jovem Dolores era uma menina mimada e amada por todos em sua casa, como ela mesma lembrava em seus escritos. Inclusive, graças à confiança que sua mãe lhe professava, permitiu que uma amiga sua a visitasse, cujo nome não é mencionado no texto.

Casado

O casamento entre Dolores Veintimilla e o médico de Nova Granada, Sixto Antonio Galindo, foi celebrado em Quito em 16 de fevereiro de 1847. Ao seu lado, Veintimilla pôde continuar seus estudos, pois Galindo lhe permitiu ler o quanto quisesse, inclusive textos que não eram bem vistos na época pela sociedade.

No final de novembro desse mesmo ano, tiveram um filho a quem deram o nome de Santiago. Nomearam Rosa Ascázubi, esposa do general García Moreno, como madrinha.

Algum tempo depois, a família mudou-se para Guayaquil, cidade onde a irmã de Dolores morava com o marido. Lá a sociedade os aceitou da maneira mais cordial e gentil, permitindo que eles se misturassem rapidamente.

No entanto, naquele momento Dolores percebeu que o amor que oferecia ao marido não era correspondido com a mesma intensidade e isso despertou o romantismo que Veintimilla expressava em seu trabalho na época.

Em 1854 o Dr. Galindo, Dolores e a criança se mudaram para Cuenca. Dali o marido empreendeu uma viagem da qual nunca mais voltou, abandonando a família sem nenhuma explicação. Apesar disso, ele enviava dinheiro à Veintimilla todos os meses.

atividade literária

Após a partida do marido, Dolores Veintimilla dedicou-se inteiramente à vida intelectual e sua casa tornou-se o ponto de encontro dos escritores da época, jovens e velhos, no melhor estilo dos salões literários europeus.

Personagens como Tomás Rendón Solano, Vicente Salazar, Antonio Marchán e Mariano Cueva frequentaram a casa Veintimilla. Mas com o passar dos meses, a menina teve que desocupar o lugar onde morava por falta de dinheiro para pagar o aluguel.

Naquela época, Veintimilla presenciou a execução da sentença de morte a que foi submetido um homem chamado Tiburcio Lucero. Isso a afetou profundamente e foi a razão pela qual ela escreveu seu famoso Obituário.

Essa folha gerou comoção após a resposta que um discípulo de Frei Vicente Solano escreveu a Veintimilla. Dolores respondeu novamente com outro sinoem que respondeu decentemente a Ignacio Marchán.

A controvérsia continuou, Veintimilla foi impiedosamente humilhada e muitos de seus ex-amigos ficaram indiferentes. Esses eventos mergulharam a mulher solitária em uma dor profunda que a levou à morte.

Morte

Em 23 de maio de 1857 morreu em Cuenca. O jovem poeta suicidou-se com um copo de cianeto. Os conflitos e a solidão que enfrentou, com apenas 27 anos, a levaram a tal estado de depressão que preferiu não continuar vivendo.

No dia seguinte o pequeno Santiago a encontrou e depois uma empregada. Seus amigos, Dr. Mariano Cueva, juntamente com Antonio Marchán e José Valverde, foram os responsáveis ​​pelos primeiros arranjos.

Guillermo Blest então pagou as despesas do funeral da falecida Dolores. Veintimilla deixou o trabalho em seu quarto A noite e minha doruma carta endereçada a sua mãe e outra a Galindo, seu marido.

Voltou em 1858 e garantiu que Dolores recebesse um sepultamento cristão, já que esse benefício foi negado à poetisa sem sequer realizar um julgamento prévio.

Os ataques de Solano contra Dolores Veintimilla de Galindo não pararam até depois de sua morte, quando o frade lhe dedicou algumas linhas desagradáveis ​​e humilhantes em A vassoura.

Santiago cresceu sob os cuidados de sua tia e morreu aos 38 anos, depois de ter filhos com sua esposa, chamada Urbana Medina.

Estilo literário

Dolores Veintimilla de Galindo foi uma das mulheres mais notáveis ​​da literatura equatoriana do século XIX. Apesar do fato de que, devido à sua pouca idade, esta escritora não teve tempo para fazer um trabalho muito extenso.

Além disso, apenas alguns fragmentos de seus textos deixados em seu quarto ou pertencentes a outras pessoas foram salvos. Antes de morrer, a mesma jovem queimou quase tudo o que havia escrito até então, e por isso seu legado ficou incompleto.

Diz-se que foi ela quem abriu as portas do estilo romântico no Equador, pois até então o estilo neoclássico dominava a literatura nacional. No entanto, ela gostava de se cultivar nos estilos que reinavam na Europa, mesmo que não fosse bem visto no país.

Já foi dito que Dolores Veintimilla era um produto do país recém-nascido, que procurou seguir um caminho que lhe era desconhecido. Isso foi demonstrado por ela mesma em seu Obituário, em que ele desejava que o mundo se tornasse um lugar mais civilizado.

Seus textos eram banhados em profunda nostalgia e intensa dor. Veintimilla mostrou em seus escritos um estilo limpo e rítmico, quase musical, embora com poucas metáforas.

Feminismo

Dolores Veintimilla desde o século 19 defendia os direitos das mulheres. Ele os defendeu em seus textos e também em sua própria vida, pois professava pelo exemplo.

Não aceitava submeter-se a uma simples existência de dona de casa, pelo contrário, por onde passava tornava-se o centro das atenções e reunião da intelectualidade. Sua fama de mulher culta a precedeu e ela honrou o que as pessoas diziam.

Ela era uma mulher crítica do que considerava injusto. Por tudo isso, a sociedade equatoriana, então muito conservadora, nunca acabou de aceitar o autor com bons olhos.

Ela era parente do general Ignacio de Veintimilla e sua sobrinha Marietta, embora tenham mudado a grafia do sobrenome para Veintimilla por razões desconhecidas. Marietta também foi uma das precursoras do feminismo no Equador.

Tocam

A maioria das obras de Dolores Veintimilla de Galindo foram perdidas após seu suicídio, apenas algumas puderam ser salvas por alguns amigos presentes, assim como várias cartas preservadas por seus destinatários.

No entanto, alguns dos textos escritos por Veintimilla são:

Para Carmen, enviando-lhe um jasmim da capa.

Ao mesmo amigo…

reclamações.

Sofrimento.

Aspiração.

Anseio.

Desencanto.

álbum literário.

Obituário.

outro sino.

Gostar.

Cumprimentos.

A noite e minha dor.

aos meus inimigos.

para um relógio.

Para minha mãe.

Em 1898 foi publicada uma compilação de suas obras, editada por Celiano Monge, e em 2016 foi publicado o primeiro volume crítico da obra completa de Dolores Veintimilla, de María Helena Barrera, De inspiração ardente: obras de Dolores Veintimilla.

Referências

  1. Dolores Veintimilla. Recuperado de en.wikipedia.org.
  2. Barrera-Agarwal, M. (2015). O SUICÍDIO DE DOLORES VEINTIMILLA. Recuperado de especial.elcomercio.com.
  3. Avilés Pino, E. (2018). Veintimilla Dolores – Figuras Históricas | Enciclopédia do Equador. Recuperado de encyclopediadelecuador.com.
  4. Pérez Pimentel, R. (2018). DORES VEINTIMILLA DE GALINDO. Recuperado de dictionarybiograficoecuador.com.
  5. Loza Montero, R. (2002). Tese: Dolores Veintimilla de Galindo ou o anjo da rebelião: A construção da subjetividade feminina. Quito: Universidade Andina Simon Bolívar.