Como funciona uma VPN descentralizada (dVPN)?

0
39


ArtemisDiana / Shutterstock.com

As VPNs descentralizadas prometem ser a atualização dos serviços VPN padrão existentes. Eles afirmam oferecer melhor privacidade a preços mais baixos do que suas contrapartes tradicionais, enquanto melhoram a Internet em geral. Para ver como eles planejam cumprir essas promessas, precisamos entender como as VPNs descentralizadas funcionam.

Como as VPNs descentralizadas são diferentes?

A melhor maneira de obter uma impressão inicial de como as VPNs descentralizadas (geralmente chamadas de dVPNs ou mesmo DPNs) funcionam é compará-las com o funcionamento das VPNs regulares. De acordo com as regras da velha escola, um provedor de VPN aluga ou compra vários servidores VPN e permite que os clientes os usem por uma taxa de assinatura, geralmente paga mensal ou anualmente.

As VPNs descentralizadas quebram esse paradigma. Em vez de usar máquinas em farms de servidores, as dVPNs usam os dispositivos de seus usuários como os chamados nós. Você não está acessando a Internet por meio de um servidor, mas sim usando o computador de outra pessoa, que está agindo como um servidor para sua conexão.

Na prática, isso não funciona muito diferente de uma VPN comum – você ainda obtém um endereço IP falsificado de outro local e pode usá-lo para acessar sites bloqueados ou quebrar diferentes bibliotecas de streaming. No entanto, devido à natureza informal dessa configuração, existem algumas diferenças importantes.

Por um lado, enquanto você usa o dispositivo de outra pessoa como servidor, ela também pode, se desejar, usar o seu como servidor. Como isso funciona é que você pode estar nos EUA, mas pode querer um endereço IP do Reino Unido. Você se conecta a um nó em algum lugar da Grã-Bretanha e, enquanto estiver online, alguém na Alemanha se conecta ao nó do seu dispositivo para obter seu IP baseado nos EUA.

Observe que isso não é necessário – você pode optar por não usar seu dispositivo como um nó. No entanto, ao fazer isso, você está perdendo o que poderia ser um grande atrativo para dVPNs, ou seja, que você pode ser pago se servir como um nó. Isso também é o que diferencia os dVPNs do Tor, pois os nós do Tor são executados por voluntários.

dVPN e criptografia

Curiosamente, não é a própria plataforma dVPN que paga você, mas seus colegas usuários. A plataforma apenas facilita a negociação e reduz seus problemas. Sem surpresa, esse pagamento é em alguma forma de criptomoeda, muitas vezes, mas nem sempre, uma moeda personalizada criada pela própria plataforma dVPN. A Mysterium Network, por exemplo, usa uma moeda chamada MYST, enquanto a Orchid tem uma chamada OXT.

No entanto, não é apenas permitindo que outras pessoas usem seu dispositivo para roteamento que você pode ganhar dinheiro, a maioria, mas nem todas as plataformas dVPN, também permitem que você use sua largura de banda ociosa para minerar seus tokens. Dessa forma, se alguém estiver usando seu nó ou não, você ainda poderá ganhar dinheiro. Não será muito, mas é uma ótima maneira de monetizar sua conexão com a internet.

Observe que algumas plataformas dVPN vão além de outras no mundo das criptomoedas. Um bom exemplo é o Deeper Network, que permite que os clientes comprem dispositivos dedicados que servem como gateway para sua rede dVPN, para que você não use seu próprio dispositivo para usar a VPN e eles ficarão automaticamente ociosos no modo de mineração.

Descentralizado e Transparente

A ideia de que você pode financiar sua VPN fazendo com que outras pessoas a usem provavelmente será um grande atrativo para qualquer pessoa com largura de banda de sobra. No entanto, a descentralização também significa maior transparência para os usuários. Como argumentamos anteriormente em nosso artigo No Log VPN, as VPNs regulares são uma caixa preta. O que realmente está acontecendo com seus dados é desconhecido, e você deve confiar nas reivindicações de privacidade de qualquer provedor de VPN.

Alguns serviços tentarão ganhar sua confiança explicando detalhadamente como funciona uma parte de sua tecnologia (como ExpressVPN e seu TrustedServer), enquanto outros contratarão empresas externas para auditar seus processos e segurança. No entanto, no final, você sempre terá que confiar na palavra de outra pessoa.

VPNs não tão descentralizadas, onde o sistema é configurado para transparência. Embora os dVPNs usem os mesmos protocolos que as VPNs, a maneira como os logs são tratados é diferente. Quando você usa uma VPN comum, está executando suas conexões por meio de um servidor, que deve registrar sua atividade. Você confia no seu provedor de VPN para destruir esses logs, naturalmente, mas eles existem, mesmo que apenas por uma fração de segundo.

De acordo com um white paper da plataforma dVPN Sentinel, os dVPNs não têm esse problema. Em vez disso, cada solicitação de conexão é feita em seu blockchain, que não mantém os logs da mesma forma que um servidor. Embora, é claro, levante questões sobre como o blockchain funciona (o Bitcoin não é anônimo, por exemplo), se funcionar como anunciado, seria uma ótima maneira de evitar um grande ponto de discórdia para VPNs regulares.

O que significa para os usuários

As VPNs descentralizadas são uma tecnologia que ainda está sendo criada e, como tal, é difícil fazer declarações gerais sobre isso. Dito isto, há muita promessa no que vimos até agora. Por mais que gostemos de VPNs comuns, elas têm alguns pontos fracos importantes que os dVPNs podem resolver.

No entanto, eles também vêm com alguns problemas. Uma delas é o uso da criptografia, que pode assustar as pessoas. Embora a criptografia em si seja transparente, o mundo ao seu redor não é, o que torna o início um pouco assustador, algo que experimentamos ao iniciar dVPNs nós mesmos.

No entanto, se você gosta de explorar a tecnologia mais recente, recomendamos verificar dVPNs que funcionam como Mysterium Network, Orchid ou Sentinel.