HomePtTendênciaAssustador! Nativos digitais são as primeiras crianças com QI mais baixo...

Assustador! Nativos digitais são as primeiras crianças com QI mais baixo que seus pais


Quais informações você encontrará neste artigo? 👇

Os dispositivos digitais, mais do que um avanço, tornaram-se um obstáculo ao desenvolvimento intelectual das crianças. Segundo o neurocientista Michel Desmurget, diretor de pesquisa do Instituto Nacional de Saúde da França e autor do livro “A Fábrica de Cretinos Digitais” O uso excessivo de televisão ou videogames afeta seriamente o desenvolvimento neural de crianças e jovens.

Segundo estudos, o uso precoce de dispositivos digitais está afetando seriamente o desenvolvimento neural de crianças e jovens

De acordo com os dados coletados no livro, “nativos digitais” são a primeira geração da historia com um quociente de inteligência (QI) inferior ao anterior.

Além da contaminação e exposição precoce a agrotóxicos, «O tempo que as crianças passam na frente de uma tela tem um efeito significativo no QI» adverte o especialista.

filhos nativos digitais

Recomenda-se limitar o uso de telas como TV, laptops, smartphones, tablets e consoles de videogame em até uma hora por dia

O QI das crianças de hoje é menor que o de seus pais.

Anteriormente, os pesquisadores observaram que, em diferentes partes do mundo, o QI aumentava de geração para geração. Esse avanço foi chamado “Efeito Flynn”referindo-se ao psicólogo americano que descreveu esse fenômeno.

No entanto, esse padrão começou a mudar em vários países. Como Michel Desmurgetestan explica em seu livro, Vários estudos mostraram que quando o uso de televisão ou videogame é excessivamente aumentado em crianças e jovens, o QI diminui.

Embora o QI seja afetado por fatores como saúde, sistema escolar, alimentação, o especialista explica que em países onde o nível socioeconômico se mantém estável há décadas, como Noruega, Dinamarca, Finlândia, Holanda, França etc. “nativos digitais” eles são a primeira geração a ter um QI mais baixo do que seus pais.

O que está causando esse declínio no QI?

Existem muitos fatores que interferem no desenvolvimento neuronal, mas o papel de cada fator ainda é desconhecido, incluindo poluição, exposição precoce a agrotóxicos e uso excessivo de telas.

Embora não seja o único fator que interfere, o tempo que a criança passa em frente a uma tela como TV, tablet ou console de videogame tem um efeito significativo no QI, já que tanto o QI quanto o desenvolvimento cognitivo tendem a diminuir, explica. Desmurget.

“O tempo passado em frente a uma tela por motivos recreativos atrasa o amadurecimento anatômico e funcional do cérebro”, diz o neurocientista

Os principais aspectos da inteligência que são afetados pelos dispositivos digitais são a linguagem, a concentração, a memória, a cultura (definida como um corpo de conhecimento que nos ajuda a organizar e compreender o mundo). Cada um deles tem um impacto no desempenho acadêmico, que diminui consideravelmente.

filhos nativos digitais

As telas e outros fatores que interferem no desenvolvimento neural levam a um desempenho acadêmico inferior.

Por que o uso de dispositivos digitais causa um QI mais baixo?

Existem muitas razões pelas quais a exposição precoce às telas tem esse efeito nas crianças:

  • Interações intrafamiliares diminuídas, que são essenciais para o desenvolvimento da linguagem e desenvolvimento emocional
  • Gastar pouco tempo em outras atividades que enriquecem o cérebro (trabalho escolar, música, arte, leitura, etc.)
  • perturbação do sono
  • Superestimulação da atenção, que causa distúrbios de concentração, aprendizado e impulsividade
  • Subestimulação intelectual, que impede o cérebro de liberar todo o seu potencial
  • Um estilo de vida sedentário que, além de afetar o desenvolvimento corporal, influencia na maturação cerebral.

Sendo o cérebro um órgão cujo desenvolvimento e características dependem da experiência, os desafios que enfrentamos diariamente no mundo de hoje modificam tanto sua estrutura quanto seu funcionamento, de modo que enquanto algumas áreas são criadas e fortalecidas, outras se especializam ou se perdem, algumas se tornam mais espessas e outros mais finos.

Vários estudos têm mostrado que o tempo que as crianças passam em frente a uma tela por motivos recreativos atrasa a maturação anatômica e funcional do cérebro de redes cognitivas relacionadas à linguagem e atenção.

No entanto, nem todas as atividades contribuem para a construção do cérebro com a mesma eficiência.

O que isto significa?

Atividades realizadas na escola, trabalho intelectual, leitura, música, arte, esportes, etc. eles têm um poder de estruturação e nutrição muito maior para o cérebro do que as telas, quando usadas para fins recreativos.

Deve-se notar que o potencial de plasticidade cerebral é muito maior durante a infância e adolescência, após o que começa a desaparecer. Embora não desapareça, torna-se muito menos eficiente.

O problema das telas recreativas é que elas alteram o desenvolvimento do cérebro de nossos filhos e os empobrecem. assegura o especialista.

cérebro de QI de crianças nativas digitais

“A Fábrica de Cretins Digitais” é o último livro do neurocientista Michel Desmurget.

Todos os dispositivos digitais são igualmente prejudiciais?

Para o neurocientista “evolução digital” e o avanço da tecnologia não é algo negativo que deve ser interrompidoPelo contrário, é uma ótima ferramenta para trabalhar e buscar informações.

Em sua opinião, eles devem ensinar aos alunos ferramentas e habilidades de informática. De fato, os professores podem contar com dispositivos digitais para o arsenal pedagógico de seus alunos, principalmente se for parte de um projeto educacional estruturado.

Porém, quando um dispositivo digital é deixado nas mãos de uma criança ou adolescente, os usos recreativos quase sempre prevalecem mais empobrecido.

Quanto as crianças e os jovens devem gastar em frente às telas?

Desmurget explicou que atualmente meninos e meninas de 2 anos gastam, em média, quase três horas por dia, enquanto os meninos de 8 anos gastam cerca de 5 horas e mais de 7 horas para adolescentes.

Isso significa que antes de completar 18 anos, nossos filhos terão passado o equivalente a 30 anos escolares em frente a telas recreativas.

Para mudar isso, é importante que os pais expliquem aos filhos que o uso recreativo de telas pode prejudicar o cérebro, prejudicar o sono e a concentração, enfraquecer o desempenho acadêmico, aumentar o risco de obesidade etc.

Vários estudos mostraram que crianças e adolescentes têm mais facilidade em seguir as regras sobre o uso de telas quando lhes é explicado o motivo.

O especialista sustenta que as regras de uso depende da idade:

  • Antes dos 6 anos, o ideal é não ter telas (isso não quer dizer que de vez em quando não possam assistir desenhos)
  • A partir dos 6 anos, se os conteúdos forem adaptados e tiverem um bom sono, pode prolongar-se entre meia hora e uma hora por dia.
  • Outras regras relevantes: Nada de telas de manhã antes da escola e à noite antes de dormir. S sobre tudo! evite telas nos quartos das crianças.

Quanto mais cedo as crianças forem expostas às telas, maiores serão os impactos negativos e o risco de consumo excessivo

No entanto, muitos pais acham difícil explicar aos filhos que as telas podem ser prejudiciais mesmo quando estão constantemente conectados a seus smartphones.

crianças nativas digitais iq

O neurocientista Michel Desmurget acredita que as crianças de hoje estão expostas a uma “orgia digital”.

Qual é o futuro dos “nativos digitais” quando forem adultos?

Costuma-se dizer que os nativos digitais sabem “de uma maneira diferente”. Isso significa que embora demonstrar linguagem, atenção e déficits cognitivoseles são muito bons em “outras coisas”. Vários estudos indicam que, ao contrário da crença popular, eles realmente não são muito bons com computadores.

Um relatório da União Europeia revelou que a baixa competência digital de «nativos digitais” dificulta a gestão das tecnologias educacionais nas escolas.

Outros estudos indicam que também não são eficientes no processamento e compreensão da grande quantidade de informações disponíveis na Internet.

Quais são as consequências do uso excessivo de telas em crianças?

Se isso continuar, Desmurget alerta que pode ocorrer um aumento das desigualdades sociais e uma divisão da sociedade.

De um lado estão as crianças Alfas (assim chamadas no romance de Huxley) que frequentarão escolas particulares caras e terão todas as ferramentas necessárias para pensar e refletir sobre o mundo.

Do outro, estão as crianças chamadas Gammas que irão para escolas públicas virtuais com suporte humano limitado e ferramentas cognitivas e culturais limitadas.

Embora as crianças e os jovens tenham acesso ilimitado ao entretenimento, seu desenvolvimento cognitivo e intelectual será cada vez mais limitado. “Simplesmente não há desculpa para o que estamos fazendo com nossos filhos e como estamos colocando em risco seu futuro e desenvolvimento” adverte o neurocientista francês Michel Desmurget.

Must Read

%d bloggers like this: