HomePtLÍNGUA E LITERATURAVariantes dialetais: o que são e exemplos

Variantes dialetais: o que são e exemplos

- Advertisement -


Mapa dialetal do México. Fonte: Hydra92, CC BY-SA 4.0, Wikimedia Commons

O que são variantes de dialeto?

As variantes de dialeto são variações de uma determinada língua, que ocorrem em função da localização geográfica e que, apesar destas, são compreendidas por todos, não afetam a comunicação nem modificam a língua como unidade.

Isso significa que dentro de um território que fala a mesma língua, pode haver pequenas variações ou pequenas diferenças devido às características particulares de cada área em particular.

Um exemplo disso são as diferenças regionais do espanhol da Espanha, do espanhol do México ou de cada país de língua espanhola.

Nenhum idioma é uniforme, é determinado por vários fatores que o modificam constantemente, de modo que em qualquer território você pode encontrar variantes no idioma: essas variantes são conhecidas como dialetos.

Embora o dialeto seja geralmente considerado como uma espécie de sistema de categoria inferior ou mais simples do que uma língua, na realidade é uma forma particular de falar ou escrever aquela determinada língua.

Pode-se então dizer que uma língua é, na realidade, a soma de todos os dialetos –formas de fala regionais ou de grupo– assim como os idioletos –formas pessoais de fala–, socioletos e estilos que existem em um dado momento histórico.

Razões para variantes de dialeto

As razões para essas variantes são diversas: algumas podem datar de muitos anos e outras podem ter sido introduzidas no idioma mais recentemente. Em geral, pode-se dizer que algumas das razões para as variantes dialetais são:

– O momento histórico.

– A região.

– Inovações tecnológicas.

– Moda.

– Mudanças sociais.

– As ondas migratórias.

– Globalização e transculturação.

Tipos de variantes de dialeto

Variante diatópica

É aquele que causa diferenças na língua determinadas por causas geográficas, como clima, altura, isolamento, etc.

Dá origem à formação de dialetos regionais ou regionalismos. Exemplos disso são os dialetos peninsulares, caribenhos, etc. Esta é a variante de dialeto apropriada.

variante diafásica

Determina a diferença da linguagem causada pelo estilo ou pela maneira pessoal de se expressar.

No estilo, as conotações ou detalhes concomitantes de natureza não linguística que acompanham a palavra, como a entonação do falante, são especialmente importantes.

variante diacrônica

Nesta variante, as mudanças na língua têm a ver com a passagem do tempo. São mudanças lentas que só podem ser vistas por um longo período de tempo.

variante diastrásica

É uma variável sociocultural que é influenciada principalmente pelo nível cultural e socioeconômico dos falantes.

As variantes dialetais também podem ser classificadas com base em sua origem em:

indigenismos

São palavras incorporadas à língua que vêm das línguas dos povos aborígenes.

regionalismos

São diferenças de vocabulário, gramática ou entonação da língua em diferentes regiões dentro de um mesmo país ou território.

palavras estrangeiras

São palavras pertencentes a outras línguas que foram incorporadas com o mesmo significado ou significado diferente.

Exemplos de variantes de dialeto

No caso específico do espanhol (ou castelhano), cada país de língua espanhola tem sua própria forma de se expressar, seus idiomas e regionalismos.

Existem muitas coisas, conceitos e objetos que, dependendo da região, são chamados de uma forma ou de outra. Estes são apenas alguns exemplos:

AUTO na Argentina e Peru, CAR no México e Espanha, CAR na Venezuela.

BOLO na Argentina e Venezuela, PASTEL no México, TARTA na Espanha, KEKE no Peru.

PIPA na Argentina, PAPALOTE no México e Cuba, COMETA na Espanha e Peru, PAPAGAYO na Venezuela.

MORANGO na Argentina e Uruguai, MORANGO nos demais países.

FEIJÕES na Argentina, BEANS na Espanha, FRIJOL no México, FREJOL no Peru, FRIJOL na Colômbia, CARAOTAS na Venezuela.

POCHOCLOS na Argentina, PIPOCA no México, COTUFAS na Venezuela, PIPOCA na Espanha, CANCHITAS no Peru.

GRÃO DE BICO na Argentina e Peru, PEAS no México, PEAS na Espanha, PETIT POIS na Venezuela.

ABACATE na Argentina, Chile e Peru, ABACATE nos demais países.

MORRON na Argentina, PIMENTÓN na Venezuela, PIMIENTO na Espanha e Peru, CHILE MORRÓN no México.

LINHA na Argentina, PLATA na Venezuela e Peru, LANA no México, PASTA na Espanha.

BETERRABA na Argentina, Venezuela, Espanha e outros países, BETABEL no México, BETARRAGA no Peru.

CEBOLINHA na Argentina, CEBOLLETA na Espanha, CEBOLLÍN na Venezuela, CEBOLA CHINESA no Peru, CEBOLLA DE CAMBRAY no México.

MILHO na Argentina e Peru, ELOTE no México, JOJOTO na Venezuela, MAZORCA na Espanha.

CHAUCHAS na Argentina, FEIJÃO VERDE na Espanha, VAINITAS na Venezuela e Peru, EJOTE no México.

LÂMPADA na Argentina, BOMBILLA na Espanha, BOMBILLO na Venezuela e Colômbia, FOCO no México, AMPOLLETA no Chile.

PALHA na Argentina, PAJILLA na Espanha, PITILLO na Venezuela, Colômbia e Cuba, SORBETE no Equador, BOMBILLA no Chile, POPOTE no México.

COLETIVO, BONDI na Argentina, BUS, em vários países da América Central, BUSETA, CHIVA, BUS na Colômbia, BUS na Venezuela, GUAGUA em Cuba, Porto Rico e Ilhas Canárias, PESERO no México.

Referências

  1. Consuelo Yánez Cossío (2007). Uma introdução à linguística geral. Quito, Equador.
  2. Como se diz em seu país… Recuperado de mamalatinaenphilly.com.
- Advertisement -
- Advertisement -
Stay Connected
16,985FansLike
2,458FollowersFollow
61,453SubscribersSubscribe
Must Read
- Advertisement -
Related News
- Advertisement -
%d bloggers like this: